Setores Censitários e Áreas de Ponderação

O setor é a menor unidade territorial, formada por área contínua, integralmente contida em área urbana ou rural, com dimensão adequada à realização da coleta de dados por um pesquisador que vai a campo por ocasião do censo. O setor constitui um conjunto de quadras, no caso de área urbana, ou uma área do município, no caso de uma área não urbanizada.

As informações recolhidas nos setores a partir do questionário básico são agregadas nos dados do universo. Estes dizem respeito a informações colhidas em todos os domicílios visitados e não daquele percentual que constitui a amostra. Ao contrário dos dados da amostra, os dados do universo não são desagregáveis até o nível do indivíduo. Para a preservação da privacidade do indivíduo e do domicílio que fornece a informação, cada variável é agregada como uma média do setor. Por exemplo, não saberemos a renda de um domicílio do setor x; saberemos a média de renda de todos os domicílios desse setor; não saberemos o número de anos de estudo de determinado indivíduo no setor x, saberemos a média de anos de estudo das pessoas desse setor, ou a média de anos de estudo das pessoas responsáveis por domicílios nesse setor, e assim por diante. Apesar dessa restrição, os dados organizados nesse conjunto – dados do universo censitário – são extremamente ricos e constituem a mais abrangente base de dados com recorte intraurbano disponível no Brasil. Os dados permitem a comparação entre recortes pequenos, e potencialmente homogêneos, dentro do município e estão disponíveis para os anos de 1991, 2000 e 2010, uma série consistente, portanto, para comparação intertemporal, além da espacial.

Áreas de Ponderação

Como foi dito, além do questionário básico aplicado a todos os domicílios, é aplicado outro mais amplo: em uma amostra dos domicílios. Os dados desse questionário, como qualquer pesquisa amostral, têm um nível máximo de desagregação abaixo do qual não é possível assumir seus resultados como significantes ou confiáveis.

Pensando em termos espaciais e tendo como referência o Município, isso significa que teremos um recorte mínimo de área – ou, de outro ponto de vista, um número máximo de repartições da área do Município – para o qual podemos empregar os dados e confiar no que eles revelam. Esse recorte é definido pelo IBGE como Área de Ponderação.

A Área de Ponderação é a menor área geográfica para a qual podemos calcular estimativas baseadas nas informações do questionário da amostra. É o nível geográfico definido para a aplicação dos procedimentos estatísticos que permitem usar os dados da amostra como válidos para a população.

É muito importante, por fim, dizer que uma Área de Ponderação é sempre um conjunto de Setores Censitários e cada Setor pertencerá sempre a uma única Área de Ponderação. A ligação entre os Setores e as Áreas de Ponderação se explica pelo fato de que, para considerar os dados da amostra de domicílios como válidos para o total dos domicílios de um determinado recorte do Município, é imprescindível um número mínimo de questionários aplicados nesse recorte.

 Logo, se há um número x de questionários por Setor e um número mínimo de questionários para serem utilizados nas informações da amostra, será preciso ter um número mínimo de Setores para formar a Área mínima; essa é a Área de Ponderação.

PBH

Subsecretaria de Participação Popular
Av. Afonso Pena, 1212, Centro – 30130-003
Telefone 3277-8342 | E-mail: participe@pbh.gov.br
Todos os direitos reservados @2017 Prefeitura de Belo Horizonte
Fale Conosco